A revista norte-americana The Hollywood Reporter, publicou uma edição com críticas às melhores séries de drama do ano de 2022, às quais também estão sendo cogitadas para participar da temporada de premiação. A série Dahmer: Um Canibal Americano aparece na sessão das Minisséries, o crítico Daniel Fienberg fez um comentário sobre a série da Netflix. Confira o trecho traduzido a seguir, e a página completa da revista em nossa galeria.

Dahmer – Monstro: A História de Jeffrey Dahmer (NETFLIX)
Originalmente escondido dos críticos, presumivelmente para que o co-criador Ryan Murphy pudesse proteger a experiência de visualização do público que não têm acesso à Wikipedia, ou produções de televisão recentes ou histórias semi-recentes, a série da Netflix Dahmer — Monstro A história de Jeffrey Dahmer, é uma mistura irritante. Pode-se apreciar os artistas em Dahmer – Richard Jenkins e Niecy Nash em particular; Evan Peters, apesar de um excesso de familiaridade por sua vez — e respeito que Murphy e o co-criador Ian Brennan tem coisas tangíveis e significativas a dizer aqui, ao mesmo tempo em que sinto que a série de 10 episódios é estruturada ao acaso e nunca encontra um meio termo entre a exploração e a expectativa. Dahmer começa pelo final, em 1991, como um prolífico assassino em série, necrófilo e canibal. Dahmer (Peters) pega Tracy Edwards (Shaun J. Brown) em um bar gay na área de Milwaukee e o traz de volta para seu apartamento sujo, onde absolutamente tudo é sinal de alerta: Há uma broca encharcada de sangue, um tanque cheio com peixes mortos, um fedor infeccioso, um misterioso tambor de plástico azul e um videocassete mostrando O Exorcista III. Tracy – alerta de spoiler histórico — foge e chama a polícia, que logo descobre que Dahmer tinha, ao longo do curso de três décadas, assassinado e feito coisas horríveis com os corpos de 17 jovens, principalmente homens jovens de cor.

 

Os 10 episódios da minissérie estão disponíveis na plataforma Netflix, confira nossas redes sociais para ficar por dentro das notícias sobre o Evan!

Em matéria criada por Kirsten Chuba do site Hollywood Reporter, mais informações das filmagens da série Dahmer: Um Canibal Americano são reveladas, graças aos eventos de Q&A feitos com o elenco da série e críticos de TV na última semana de outubro de 2022.

A Netflix organizou duas conversas em seu estúdio no sábado para Dahmer – Monster: The Jeffrey Dahmer Story e The Watcher – suas séries mais recentes e maiores, ambas cortesia de Ryan Murphy.

Murphy atuou como moderador de ambas as discussões, marcando um dos primeiros eventos de imprensa em torno de Dahmer desde que se tornou um dos programas mais vistos da Netflix – e como Murphy mencionou durante o evento, o maior sucesso da carreira do superprodutor.

À medida que o programa se aproxima de um bilhão de horas transmitidas, Murphy admitiu que era “algo que nenhum de nós entendia ou esperava”, mas ele tem duas teorias sobre por que decolou. “Sinto que o mundo é um lugar tão sombrio, e as pessoas estão procurando um lugar para colocar sua ansiedade, e isso é uma coisa”, disse ele. “A outra coisa é que, desde o COVID, as pessoas estão realmente interessadas na ideia de saúde mental e, na série, todo personagem tem um momento falando sobre isso.”

Um dos destaques de seu sucesso, disse Murphy, veio em uma discussão emocional com a estrela Niecy Nash, que participou da conversa ao lado de Evan Peters e Richard Jenkins. Nash interpreta Glenda Cleveland, vizinha de Dahmer que em muitas ocasiões tentou alertar a polícia sobre seus assassinatos, mas sempre foi ignorada.

“Chorei como um bebê porque disse a Ryan, é minha oração que, onde quer que a alma de Glenda Cleveland esteja descansando, ela finalmente se sinta ouvida”, disse ela. “Ela finalmente sabe que sua história se espalhou pelo mundo. Aquilo era importante para mim.”

Durante a conversa, Peters admitiu que estava apavorado em assumir o papel do serial killer – que assassinou de forma horrível 17 homens entre 1978 e 1991 – e voltou atrás se deveria fazê-lo.

Ele era tão profundo no personagem, “As pessoas me pedem: ‘Como é o Evan?’ e eu ficava tipo ‘Eu não sei, eu não conheço esse homem.'” Brincou Niecy Nash.

“Fazendo o papel, eu queria dar 120 por cento durante todo o processo, então trouxe muita escuridão e negatividade”, explicou Peters sobre seu processo. “Era apenas ter esse objetivo final em vista, saber quando iríamos encerrar e finalmente poder respirar e deixar ir e dizer: ‘OK, agora é hora de trazer a alegria e a leveza e assistir comédias e romances e voltar para St. Louis e ver minha família e amigos e sim, assistir Step Brothers.’”

“Evan Peters, você e eu em uma comédia romântica logo depois disso”, brincou Nash, enquanto Peters respondia: “Ah, estou triste”.

A série completa está disponível na plataforma de streaming Netflix.

Matéria originalmente criada por Emily Longeretta do site Variety, traduzida pela nossa equipe.

Embora Evan Peters e Ryan Murphy tenham trabalhado juntos por anos, Peters estava “aterrorizado” em assumir “Dahmer – Monster: The Jeffrey Dahmer Story” da Netflix.

“Eu realmente fiquei pensando se deveria ou não fazer isso. Eu sabia que seria incrivelmente sombrio e um desafio incrível”, disse Peters durante um painel no sábado com Murphy e os colegas de elenco Niecy Nash e Richard Jenkins.  Quando recebeu os roteiros, ele assistiu à entrevista de Dahmer em 1994 no “Dateline” para “mergulhar na psicologia desse lado extremo do comportamento humano”.

Durante os quatro meses de preparação e seis meses de filmagem, Murphy observou que Peters usava pesos de chumbo em torno de seus braços e elevadores em seus sapatos para diminuir a fisicalidade de Dahmer e “basicamente permaneceu nesse personagem, por mais difícil que fosse, por meses”.

“Ele tem as costas muito retas. Ele não mexe os braços quando anda, então coloco pesos nos braços para ver como é.  Eu usava os sapatos do personagem com saltos, jeans, óculos, eu tinha um cigarro na mão o tempo todo”, explicou Evan. “Eu queria que todas essas coisas, essas coisas externas, fossem uma segunda natureza quando estávamos filmando, então assisti muitas filmagens e também trabalhei com um treinador de dialetos para baixar a voz. A maneira como ele falava era muito distinta e ele tinha um dialeto. Então eu também fiz isso e criei essa composição de áudio de 45 minutos, que foi muito útil. Eu ouvia isso todos os dias, na esperança de aprender seus padrões de fala, mas na verdade, na tentativa de tentar entrar em sua mentalidade e entender isso a cada dia que estávamos filmando. Foi uma busca exaustiva, tentando encontrar momentos privados, momentos em que ele não parecia autoconsciente, para que você pudesse ter um vislumbre de como ele se comportava antes dessas entrevistas e de estar na prisão.”

Nash acrescentou que ela se aproximou alegremente de Peters no início das filmagens para dizer olá e percebeu que ele estava “em seu processo”.

“Eu queria respeitar isso e queria mantê-lo lá”, disse ela, virando-se para Peters. “Eu rezei muito por você, de verdade, porque isso é pesado. E quando você fica nele e está preso ao material, como osso à medula, sua alma fica perturbada em algum momento. E eu podia vê-lo ficando cansado. Eu apenas disse: ‘Bem, vou me certificar de mantê-lo em minhas orações, porque isso é muito e ele quer fazer justiça.’”

Houveram reações em torno da série, com alegações de que Murphy não entrou em contato com os familiares e amigos das vítimas de Jeffrey Dahmer – algo que ele desmentiu na quinta-feira durante um evento da DGA.

“É algo que pesquisamos há muito tempo”, disse o escritor. “Nós, ao longo dos três anos e meio em que estávamos realmente escrevendo, trabalhando nisso, alcançamos cerca de 20 das famílias e amigos das vítimas tentando obter informações, tentando conversar com as pessoas. E nem uma única pessoa nos respondeu nesse processo. Então, confiamos muito, muito fortemente em nosso incrível grupo de pesquisadores que… nem sei como eles encontraram muitas dessas coisas. Mas foi como um esforço de noite e dia para tentar descobrir a verdade dessas pessoas.”

A série completa está disponível na plataforma de streaming Netflix.

Matéria originalmente criada por Harper Lambert do site The Wrap, traduzida pela nossa equipe.

A estrela de Dahmer – Monster: The Jeffrey Dahmer Story” Niecy Nash não conheceu o verdadeiro Evan Peters até as filmagens terminarem porque seu colega de elenco estava profundamente enraizado em seu personagem serial killer.

Em uma coletiva de imprensa no sábado para a série de sucesso, Nash lembrou-se de se reapresentar a Peters após o período de ensaio e as filmagens de 10 meses, durante as quais ele permaneceu no personagem.

“Eu respeitei sua necessidade de manter a distância e a tensão para que isso acontecesse na tela”, disse ela.

Embora ela não tenha passado o tempo de inatividade com Peters no set, Nash, que interpreta a vizinha de Dahmer, Glenda Cleveland, o manteve em seus pensamentos.

“Eu rezei muito por você, de verdade, porque isso é pesado”, disse Nash a Peters durante a conversa com o showrunner Ryan Murphy e o colega de elenco Richard Jenkins.

Peters agradeceu a ela, lembrando-se de um ditado útil que Nash havia passado para ele de sua avó: “Aguente firme até ter o suficiente, e quando tiver o suficiente, aguente firme”.

Esse mantra ficou com Peters enquanto ele se preparava para o papel consumindo todos os livros, entrevistas, filmagens e relatórios de psicologia sobre Dahmer que pudesse encontrar. Para recriar o andar rígido de seu personagem, ele usava pesos no braço; para acertar a voz, ele trabalhou com um treinador de dialetos e montou um composto de áudio de 45 minutos que ouvia todos os dias para imitar seus padrões de fala e “entrar em sua mentalidade” (de Dahmer).

“Eu queria que todas essas coisas externas fossem uma segunda natureza enquanto estávamos filmando”, explicou Peters.

Para descomprimir de seu processo extenuante, o ator assistiu a muitas comédias românticas e comédias como “Step Brothers” (Quase Irmãos), e passou um tempo com amigos e familiares em sua cidade natal de St. Louis, Missouri.

“Evan Peters, você e eu em uma comédia romântica logo depois disso!”, brincou Nash.

Após sua estreia na Netflix em 21 de setembro, “Dahmer” se tornou o segundo programa em inglês mais popular de todos os tempos, depois da quarta temporada de “Stranger Things”. Na semana passada, acumulou 856,2 milhões de horas totais de visualização.

Nesta quinta-feira (27) aconteceu o evento Q&A (questions and answers, perguntas e respostas na tradução) da série Dahmer: Um Canibal Americano. O evento contou com a presença dos criadores da minissérie, Paris Barclay e Ryan Murphy, além dos atores Evan Peters, Niecy Nash e Rodney Burford.

Foi exibido para uma audiência de críticos de cinema e audiovisual, o sexto episódio da série intitulado “Silenced“, no qual conhecemos intimidades da vida de uma das vítimas de Dahmer, Tony Hughes. O episódio em questão foi muito bem recebido pelo público por tratar a história de Hughes não apenas como mais um número nas vítimas do assassino, mas sim humanizando as vítimas que muitas vezes são esquecidas nos documentários e séries sobre os crimes.

Durante o Q&A foram feitas diversas perguntas para os atores e criadores. Nelas, Evan responde como foi o processo de se preparar para interpretar Jeffrey Dahmer, além de detalhes da criação da série por Ryan Murphy, e como Evan e Niecy Nash se relacionaram durante as filmagens.

Confira uma compilação de vídeos das respostas, legendadas pela nossa equipe:

Para conferir as fotos do evento em alta qualidade, acesse nossa galeria.

E para continuar em dia com as novidades sobre o Evan, acompanhe nossas redes sociais!

Evan conversa com a jornalista Jenny Changnon para o site Netflix Queue sobre a nova série da Netflix, Dahmer: Um Canibal Americano.

Ryan Murphy e Ian Brennan, vencedores do Emmy, examinam a história comovente das vítimas de Dahmer de ângulos inéditos.

Os crimes de Jeffrey Dahmer aterrorizaram e prenderam o mundo após sua prisão em 1991, e a história do serial killer canibal continua a ser um sombrio fascínio décadas depois. O que permanece na memória cultural são as manchetes sensacionalistas e os detalhes sangrentos, mas as histórias das vítimas de Dahmer e das pessoas que tentaram detê-lo não foram contadas. DAHMER – Monster: The Jeffrey Dahmer Story, criado por Ryan Murphy e Ian Brennan (as mentes vencedoras do Emmy por trás de American Crime Story e American Horror Story), dá um passo atrás e examina o caso Dahmer de ângulos inéditos.

Na minissérie de 10 episódios, Evan Peters (Mare of Easttown, American Horror Story) se transforma fisicamente em Jeffrey Dahmer, desde os anos do ensino médio do assassino até sua morte na prisão aos 34 anos. “Eu estava muito assustado com todas as coisas que Dahmer fez, e tentar me comprometer com essa atuação, foi absolutamente uma das coisas mais difíceis que eu já tive que fazer em minha vida”. Diz Peters. “É tão chocante que isso tudo realmente aconteceu. Eu senti que era importante ser respeitoso com as vítimas e as famílias das vítimas para tentar contar a história de forma mais autêntica possível.”

Em papéis coadjuvantes, Richard Jenkins e Molly Ringwald estrelam como o pai de Dahmer, Lionel, e sua madrasta, Shari, e Penelope Ann Miller interpreta sua mãe ausente, Joyce, enquanto eles seguem na luta para entender seu filho problemático e sua negligência em reconhecer seu perigo. “Chama-se The Jeffrey Dahmer Story, mas não é apenas ele e sua história de vida. São as repercussões; é como a sociedade e nosso sistema falharam em detê-lo várias vezes por causa do racismo e da homofobia”, acrescenta Peters. “Todo mundo tem seu lado da história contado.”

A missão da série estava clara desde o início. “Tínhamos uma regra de Ryan [Murphy] que a série nunca seria contada do ponto de vista de Dahmer”, continuou Peters. Com episódios dirigidos por Gregg Araki, Paris Barclay, Carl Franklin, Jennifer Lynch e Clement Virgo, DAHMER examina os assassinatos do serial killer de 17 homens e meninos, principalmente indivíduos de cor, em todo o centro-oeste ao longo de 13 anos. À medida que a série evolui, explora como o caso foi extremamente mal administrado e como os crimes foram ignorados pela polícia por mais de uma década. Murphy consultou Rashad Robinson, presidente da Color of Change, uma organização sem fins lucrativos de defesa dos direitos civis, para garantir que as histórias das vítimas estivessem na frente e no centro da redação e produção do projeto.

“Minha primeira apresentação a Jeffrey Dahmer e sua história foi ouvir algo no noticiário e depois ouvir meus pais falarem”, diz Niecy Nash (When They See Us, Selma), que interpreta a vizinha de Dahmer, Glenda Cleveland, uma figura que é muitas vezes ausente das recontagens dos assassinatos. “Glenda também foi uma de suas vítimas. E sua história foi muito pouco contada.”

Cleveland, que morava no mesmo complexo de apartamentos de Milwaukee que Dahmer, suspeitava de seus crimes desde o início, e ela alertou diligentemente o proprietário várias vezes sobre o mau cheiro vindo de seu apartamento. Quando o proprietário não fez nada, porque Dahmer era “um bom inquilino”, ela começou a chamar a polícia, mas eles se recusaram a levar a sério uma mulher negra e sua família, que mora em um bairro carente.  Em um caso, ela chamou a polícia ao testemunhar Konerak Sinthasomphone, um menino de 14 anos ferido, tropeçar nu para fora do apartamento de Dahmer e para a rua. Ao chegarem, Dahmer disse aos policiais que o menino era seu amante e eles acabaram de discutir. A polícia aceitou sua palavra sobre a de Cleveland, que repetidamente implorou para que reavaliassem antes que inevitavelmente ajudassem o menino a voltar para os braços de Dahmer e ele se tornasse outra vítima.

As ações de Dahmer afetaram inúmeras vidas além das de suas vítimas; a série passa um tempo com suas famílias em luto, enquanto lutam para processar os assassinatos traumáticos. “Pesada é a cabeça que usa a coroa para contar essa história como nunca havia sido feita antes”, diz Nash. “Isso vem com muita responsabilidade, porque você quer ter certeza de que está certo.” Essas famílias e comunidades foram assombradas para sempre pelos atos horríveis e sem sentido de Dahmer e merecem que suas histórias sejam finalmente introduzidas na narrativa.

“O tema de toda esta peça é atemporal”, acrescenta Nash. “Você ainda tem comunidades que estão sendo mal atendidas, sendo policiadas de maneira errada. Temos pessoas clamando por mudanças e para serem ouvidas pelos poderes constituídos.” Mesmo após o julgamento de Dahmer, o heroísmo de Cleveland é ofuscado pela falta de ação das autoridades. “Ela merecia muito mais do que uma plaquinha brega no fundo de um salão social em algum lugar.  Ela merecia muito mais do que a polícia para ficar na frente dela e dizer: ‘Olha o que fizemos. Veja o que tentamos fazer’”, diz Nash.

Junto com a história de Clevevand, que historicamente tem sido negligenciada em favor dos aspectos chocantes do caso, DAHMER se concentra nas vítimas e suas famílias trabalhando em seu luto enquanto o julgamento se desenrola. “A história de Jeffrey Dahmer é muito maior do que apenas ele”, reflete Peters. Ao se concentrar nas falhas institucionais e na incompetência que permitiram a Dahmer continuar matando à vista de todos, DAHMER – Monster: The Jeffrey Dahmer Story conta uma história tragicamente presciente de indivíduos e comunidades lutando para serem ouvidos e as consequências mortais quando são ignorados por aqueles no poder.

A minissérie estreia dia 21 de setembro na Netflix.

Após muito tempo esperando, os fãs finalmente receberam uma prévia da minissérie agora intitulada “Dahmer: Um Canibal Americano“.


A história terá como foco os olhares em volta dos crimes cometidos pelo assassino em série Jeffrey Dahmer, entre os anos de 1978 e 1991. Dahmer fez sua primeira vítima com apenas 15 anos de idade, e a partir de então, praticou as mais diversas maldades com meninos e homens nos Estados Unidos, assassinando 17.

Em entrevista recente, Evan, que interpretará o assassino em série, comentou que a minissérie não irá exibir novamente tudo o que foi cometido pelo criminoso, afinal de contas esse não será o foco do show, e sim, como os vizinhos, família e diversos entes próximos do homem lidavam com o dia a dia de Dahmer, e como todos os crimes vieram à tona.

Assista o vídeo da entrevista, legendado pela nossa equipe:

Por ser um dos casos mais conhecidos no mundo criminoso norte-americano, e já haver diversos documentários, séries e filmes em torno da história, detalhar os crimes cometidos por Dahmer não é o enfoque da minissérie, além de ser necessário prestar respeito aos familiares das vítimas.
A minissérie foi criada e dirigida por Ryan Murphy, que já trabalhou com Evan em 9 temporadas de American Horror Story, e também na série Pose.
A minissérie estreia no dia 21 de setembro, na Netflix.

Confira abaixo o trailer da minissérie legendado: