Fonte: Collider

A série American Horror Story  da FX frequentemente brinca com nossos medos mais básicos, mas sua sétima temporada, American Horror Story: Cult, levou as coisas um passo adiante, para explorar o nível de intensa ansiedade que muitos experimentaram desde a eleição presidencial. Não importa de que lado você esteja particularmente, é fácil se relacionar e simpatizar com o sentimento de perda, confusão ou medo, e quando isso é usado intencionalmente para induzir o medo de forma muito eficaz, pode ser mais assustador do que qualquer entidade sobrenatural.

Durante esta entrevista individual por telefone com a Collider, o ator Evan Peters (que interpretou Kai Anderson, um jovem com problemas mentais que lidera um culto de seguidores que obedecem a suas ordens e que fez um trabalho incrível em todas as temporadas da série, até agora) falou sobre os desafios de AHS: Cult, o que foi dito a ele sobre seu papel, antes do início da temporada, como Ryan Murphy o desafiou, como ator, como a vida real às vezes pode ser mais assustadora do que o terror sobrenatural , de que forma ele abordou o papel de Kai e assumiu tantos personagens nesta temporada. Ele também falou sobre como foi legal para Simon Kinberg se tornar diretor de X-Men: Fênix Negra, e porque ele está animado em fazer parte da próxima série de Ryan Murphy para FX, Pose. Esteja ciente de que spoilers desta temporada são discutidos.

Collider: Você é um dos veteranos de American Horror Story, a esta altura, mas a cada temporada você ainda enfrenta novos desafios que eu acredito que você nunca poderia ter esperado ou imaginado. Antes do início desta temporada, o que Ryan Murphy disse a você sobre o tema da temporada e seu personagem? 

EVAN PETERS: A √ļnica coisa que ele me disse sobre a temporada, foi que eu seria o l√≠der de uma seita. Foi basicamente isso. Eu n√£o sabia nada sobre a pol√≠tica nisso tudo, e tamb√©m n√£o sabia que interpretaria todos aqueles personagens. Fiquei um pouco chocado com tudo isso.

Ryan Murphy reuniu a melhor família de atores de todos os tempos, e eu amo como ele tende a ver coisas em seus atores que nem eles conseguem ver em si mesmos. Em todo o tempo que você passou trabalhando e colaborando com ele, o que você aprendeu sobre você e do que é capaz como ator? 

PETERS: Ah, cara, essa é uma ótima pergunta. Ele vê coisas que eu nunca pensei que interpretaria em minha vida, com qualquer um dos personagens que ele me fez representar. Além disso, interpretar Kai foi obviamente muito intenso. Ele perde a cabeça, por isso foi muito desafiador entrar nessa área. A quantidade enorme de diálogos que recebi foi bastante chocante. Não sabia se conseguiria memorizar tudo isso. Algumas temporadas, tive grandes cenas para fazer, mas essa foi muito densa em cada episódio. Depois dos episódios 8 e 9, pensei que eles iriam passar para Sarah [Paulson], eu não teria tantos diálogos e teria um descanso, mas havia ainda mais. E então, com o episódio 11, houve ainda mais do que isso. Eu estava em choque. Eu não sabia como seria capaz de fazer isso. Foi um processo muito assustador. Acabei de fazer. Eu tinha que apenas me levantar e fazer isso. Não havia tempo para pensar.

Normalmente, eu penso demais. Rumino, marino e cozinho nessa porcaria toda, mas não tinha tempo. Não tive tempo de fazer isso. Não tive tempo para adivinhar ou duvidar ou me preocupar, ou qualquer uma dessas coisas. Foi uma lição legal nessa área, onde percebi que talvez não precisasse pensar tanto e nem me preocupar com todas essas coisas, e poderia simplesmente fazer isso e sair da minha intuição e do meu instinto e apenas brincar com isso. Você pesquisa e tenta repassar as coisas o máximo que pode, mas o tempo é limitado e você apenas precisa seguir em frente. Essa foi uma lição muito legal que aprendi, e tenho que agradecer a Ryan por me dar a chance de aprender isso sobre mim e por me dar tanto trabalho nesta temporada para fazer e me desafiar. Foi muito gratificante.

Esta temporada realmente se baseou na fonte de material mais horrível que existe, concentrando-se na eleição presidencial de 2016. Você achou esta temporada, em particular, a mais assustadora porque chega tão perto de nossa situação de vida atual, ou você acha que o terror sobrenatural é mais assustador do que o terror da vida real?

PETERS: Assisti ao epis√≥dio 6, com o tiroteio, e pensei: ‚ÄúIsso √© real. Isso est√° realmente acontecendo.‚ÄĚ Na s√©rie, era uma escala pequena em compara√ß√£o com o que estava acontecendo no mundo real e isso era o que mais me assustava. √Č triste e assustador e um pouco perto demais do que vivemos. Eu acho que foi bom eu ter visto isso e sentir isso porque essa merda est√° acontecendo muito agora e √© muito, muito assustador. √Č assustador, nesse aspecto, quando chega perto de que vivenciamos. Quando crian√ßa, eu tinha mais medo de coisas sobrenaturais, fantasmas e goblins e o Guardi√£o da Cripta de Contos da Cripta. Sempre tive medo de que ele me perseguisse escada acima, quando era crian√ßa. Mas ent√£o, conforme voc√™ envelhece, voc√™ fica tipo, ‚ÄúTalvez possa existir, mas eu realmente n√£o vi nada disso‚ÄĚ. Ent√£o, voc√™ v√™ as coisas da vida real e realmente atinge um nervo em seu sistema nervoso central e voc√™ come√ßa a ter medo real em sua vida cotidiana. Acho que essa temporada foi muito assustadora, por esse motivo.

Qual foi a sua abordagem para encontrar Kai? Você queria encontrar maneiras de torná-lo compreendido e esperava que os espectadores pudessem de alguma forma encontrar uma maneira de simpatizar com ele ou pelo menos entendê-lo, ou você o via como alguém que realmente não tinha esperança de redenção? 

PETERS: Quando li o epis√≥dio 5, que continha a hist√≥ria da fam√≠lia, me senti mal por ele. Eu simpatizei com ele, dessa forma. Qualquer um que passa por isso, e ent√£o ter seu irm√£o fazendo isso para encobrir, √© loucura e bagun√ßaria totalmente algu√©m, especialmente se eles j√° tivessem alguns problemas √≥bvios. Isso me ajudou a simpatizar com ele, mas ele continuou a levar as coisas longe demais. Ele se perdeu. Ele apertou um bot√£o e foi para outra √°rea. N√£o acho que possa haver muita simpatia, mas h√° o fato de que ele perdeu sua fam√≠lia e est√° t√£o longe que matou o que restava de sua fam√≠lia. Acho que a crian√ßa ainda est√° dentro dele, querendo uma fam√≠lia e querendo ter pessoas ao seu redor que o amem. √Č a√≠ que ele quer ser um l√≠der de culto e ter todas essas pessoas o amando e admirando. E ent√£o, isso tomou conta de sua alma e de suas entranhas, e ele acabou matando as coisas que ele mais amava. Nesse caso, acho que voc√™ poderia simpatizar com ele, mas tamb√©m acho que qualquer pessoa que tenha ido t√£o longe deve ser interrompida.

Como foi enfrentar indivíduos tão infames como Charles Manson, David Koresh, Jim Jones, Marshall Applewhite e Andy Warhol, e ainda assim ter Kai sendo o mais cruel de todos eles? 

PETERS: Eles s√£o todos muito tristes e terr√≠veis, √† sua maneira. O fato √© que aquelas outras pessoas eram reais e todas aquelas coisas aconteceram, na vida real. A parte mais maluca √© que isso realmente aconteceu. As fam√≠lias das pessoas foram arruinadas e pessoas morreram. A parte mais assustadora sobre isso √© que realmente aconteceu. √Č realmente assustador!

Houve um dos líderes de seita que você achou mais desafiador para interpretar ou cada um era seu próprio desafio? 

PETERS: Cada um tinha seu pr√≥prio desafio. Assisti a muitos v√≠deos no YouTube e os ouvi falar muito. Eu os vi pregar e assisti a entrevistas com eles, e tentei identificar seus trejeitos e vozes. Ent√£o, voc√™ tem que pesquisar no que eles acreditavam, quem eles eram, o que estava acontecendo ao seu redor e seu culto. Jim Jones foi um dos mais desafiadores. Eu n√£o me pare√ßo em nada com ele, ent√£o eles fizeram v√°rias pr√≥teses, o que foi muito legal. Tamb√©m era o mais dif√≠cil de pesquisar porque era o mais triste. Eu ouvi a pr√≥pria fita, no YouTube, dele dizendo aos seus seguidores para beberem Kool-Aid, o que foi horr√≠vel. Mas todos foram desafiadores, √† sua maneira. Todos eram desafiadores, na maneira como falavam, fosse um sotaque, seu tom de voz ou o que quer que fosse. Manson foi dif√≠cil porque √© Charles Manson. Ele √© incrivelmente famoso, e todo mundo o conhece e j√° o viu. Existem diferentes est√°gios do Manson, tamb√©m, com o jovem Manson, estando na pris√£o por um tempo, o Manson, e o Manson mais velho. H√° uma gama de entrevistas online dele agindo de maneiras diferentes, ent√£o foi realmente sobre como deix√°-lo louco e como ele seria sedutor. Era algo desafiador de se interpretar. Al√©m disso, encenar contra mim como Manson foi dif√≠cil. Koresh foi dif√≠cil por causa das crian√ßas. Trabalhar com as crian√ßas e falar como Koresh com elas era muito estranho. Parecia errado em tantos n√≠veis. Fiquei feliz por todos os pais estarem l√° para dizer, ‚ÄúN√£o, n√£o √© real! √Č um programa de TV!‚ÄĚ E ent√£o, Andy foi dif√≠cil porque muitos grandes atores interpretaram Andy Warhol. Isso foi um pouco estressante, para dizer o m√≠nimo.

Você recentemente fez outro filme dos X-Men, X-Men: Fênix Negra. O que você achou da experiência de trabalhar com Simon Kinberg como diretor? Ele está na franquia como produtor, mas é seu primeiro filme como diretor, então como ele lidou com um filme de orçamento tão grande? 

PETERS: Ele foi √≥timo! Ele esteve no set de todos aqueles filmes, ent√£o ele viu tudo acontecendo. O que √© legal nisso √© que ele √© o escritor e sabe o que quer. Ele conhece a hist√≥ria. Ele estava sempre no set ajudando, mas agora ele fica no comando, o que √© muito legal, porque eles s√£o realmente beb√™s de Simon. Foi legal v√™-lo ter sua vis√£o completa, totalmente sua. Foi √≥timo trabalhar com ele. √Č uma oportunidade legal, e estou feliz por ele ter feito isso porque foi muito legal.

Você também assinou contrato para o próximo piloto de drama FX de Ryan Murphy, Pose (junto com Tatiana Maslany, Kate Mara e James Van Der Beek), o que parece uma história interessante com um grande elenco. Com o que você está mais animado, com o mundo que ele está criando para essa série?

PETERS: √Č fant√°stico que ele esteja dando √† comunidade transg√™nera a oportunidade de realmente perseguir seus sonhos e agir. Ele est√° dando os pap√©is para pessoas transg√™neras reais, o que eu acho incr√≠vel e muito emocionante. Estou feliz por trabalhar com ele, aprender e crescer. A hist√≥ria contece em 1987, durante a cultura do baile em Nova York. √Č uma √©poca hist√≥rica, e foi uma √©poca muito complexa para as pessoas trans. Mas √© complicado. Voc√™ quer fazer tudo certo. Nunca √© um papel f√°cil com Ryan. Ele sempre me d√° algo complicado e interessante, e algo com que me desafiar. √Č por isso que estou animado tamb√©m.