Fonte: Showbiz Cheat Sheet

Em Vingadores: A era de Ultron, Aaron Taylor-Johnson interpretou Pietro Maximoff / Mercúrio, o irmão gêmeo de Wanda Maximoff / Feiticeira Escarlate de Elizabeth Olsen. Pietro morreu no filme da Marvel de 2015 e em WandaVision na Disney +, o ator Evan Peters foi chamado para interpretar Pietro em vez de Taylor-Johnson.

Peters interpretou anteriormente uma iteração diferente do personagem na franquia X-Men da 20th Century Fox. Kevin Feige, o presidente da Marvel Studios, compartilhou que essa mudança de elenco foi feita por um motivo deliberado.

[Alerta de spoiler: o artigo a seguir contém spoilers de WandaVision.]

Os produtores de ‘WandaVision’ queriam Evan Peters no programa

WandaVision acompanha a dor de Wanda após os eventos de Vingadores: Ultimato e como isso afeta sua realidade. Ao falar com a Marvel.com, o escritor e produtor de WandaVision Jac Schaeffer explicou por que Peters foi escolhido para interpretar Pietro.

“Amamos a ideia de [trazê-lo de volta]”, disse ele. “E então nós pensamos, como no mundo vamos fazer isso ter um sentido lógico? Tipo, como podemos justificar isso? Porque essa é a coisa, você pode ter um milhão de grandes ideias, mas fazê-las ter base, ter sentido e parecer orgânicas para a história principal.”

O escritor continuou: “Este programa é uma confusão mental, e por estar trabalhando em tantos níveis, e há tantas noções do que é real e do que não é, e desempenho, elenco, público, fandom e tudo isso, apenas pensamos que seria uma grande emoção trazer Evan para o Universo Cinematográfico da Marvel. ”

O elenco tem um significado em ‘WandaVision’

Ter Peters interpretando Pietro em WandaVision foi uma reviravolta divertida e um mistério. Embora a escolha do elenco tenha sido um choque para alguns fãs, a decisão de escalar Peters para WandaVision exigiu muita reflexão.

“Minha parte favorita do processo é sempre o início, quando estamos descobrindo o que algo pode ser, e no final, quando o estamos refinando e colocando no mundo”, disse Feige durante um evento de imprensa virtual Disney + TCA de acordo com Digital Spy.

Feige explicou que ter Peters aparecendo como Pietro também foi importante para o enredo de WandaVision.

“Eu acredito que acabamos indo com o que você viu relativamente mais cedo no processo de desenvolvimento. É apenas outra maneira de como certas pessoas estavam brincando com Wanda”, disse ele.

Evans Peters queria estar em ‘WandaVision’

Embora o desenvolvimento de WandaVision tenha demorado um pouco, Peters não precisou ser convencido a assinar o projeto.

“Estávamos torcendo por isso há tanto tempo e não sabíamos se seria possível”, disse Schaeffer ao Marvel.com. Foi complicado de fazer acontecer. Evan estava sempre pronto para isso – tipo, sempre, sempre, sempre. Ele é fã de quadrinhos e da Marvel. Ele está sempre pronto para a opção mais estranha. E é um prazer – realmente um prazer trabalhar com ele.”

Entrevista do Evan para o canal GQ publicada em 2018, onde ele comenta sobre os principais papéis de destaque em sua carreira.

Fonte: Showbiz Cheat Sheet

Nos últimos anos, Evan Peters se tornou um nome familiar graças a grandes projetos como American Horror Story e X-Men. Mas ele não pensava em atuar até os 15 anos e começou com alguns papéis muito interessantes. E quando se trata do motivo pelo qual ele entrou no show business, na verdade seriam as famosas gêmeas Olsen que ele sugere brincando que o levaram a atuar. E enquanto Peters possa ter começado por causa de Mary-Kate e Ashley Olsen, ele agora está atuando com Elizabeth Olsen em WandaVision.

[Alerta de spoiler: a seguir spoilers sobre WandaVision].

Evan Peters disse que foi “mordido pelo inseto da atuação” e que as gêmeas Olsen o levaram para Los Angeles

Em uma entrevista com MLive, um jornal local de Michigan, em 2008, Peters falou sobre sua experiência promissora como um ator. Nesse ponto, Never Back Down (Quebrando regras) tinha acabado de ser lançado e ele estava apenas começando. Peters não tinha alcançado seu papel de destaque ainda (mais sobre isso depois), mas ele estava colecionando muitos papéis coadjuvantes; Kick-Ass viria em 2010 e a sequência de Never Back Down (Quebrando regras) viria em 2011.

Peters mudou-se para Grand Blanc, MI quando estava no Ensino Médio em Missouri e disse que “foi mordido pelo inseto da atuação”. No entanto, ele não atuou em peças da escola e em vez disso, realmente começou a trabalhar quando saiu de lá. E ele disse que tinha um objetivo interessante que era se mudar para o oeste.

“Mas, principalmente, eu queria conhecer as gêmeas Olsen”, disse ele ao MLive. “Elas tinham 15 anos, eu tinha 15… atuar parecia ser a melhor maneira.”

Avançando para 2018, quando Peters se sentou com a W Magazine para falar um pouco sobre sua carreira e disse que suas primeiras crushes celebridades foram Mary-Kate e Ashley.

“Bem, primeiro foram as gêmeas Olsen”, disse Peters. “Com certeza. Sim, elas meio que me levaram para Los Angeles de alguma forma, porque eu fiquei tipo, ‘Eu tenho que conhecê-las!’”

Ele também disse que poderia “definitivamente” diferenciá-las, já que não são gêmeas idênticas.

Mas, claro, não foram elas que realmente impulsionaram sua carreira de ator

Colocando-as de lado, no entanto, ele contou à W Magazine sobre alguns comerciais que ele fez, como Sour Patch Kids e PlayStation, que infelizmente não deram a ele nenhum produto ou console de jogos grátis.

Ele disse que estava interessado tanto em TV quanto em filmes, trabalhando em grandes séries como Phil of the Future (Phil do Futuro)do Disney Channel e One Tree Hill da CW, entre outros programas. Peters disse que Even Stevens (Mano a Mana) e o papel de Shia LaBeouf nela também o inspiraram.

Ele teve seu papel de protagonista em American Horror Story em 2011, onde interpretou pela primeira vez Tate Langdon, o adolescente angustiado e torturado que acaba sendo um suspeito louco e assustador na Murder House. Depois de oito temporadas, Peters fez uma pausa na série após sua temporada de 2018, American Horror Story: Apocalypse, mas ele está planejando retornar para sua 10ª temporada. Enquanto isso.

Ele teve uma tonelada de outros papéis em séries e filmes, mas quando se trata de um papel cinematográfico de destaque, o papel de Peters como Mercúrio, também conhecido como Peter Maximoff em X-Men: Days of Future’s Past (X-Men: Dias do Futuro Esquecido), foi o suficiente. Ele repetiu esse papel em mais dois filmes do X-Men da Fox e teve algumas cenas muito notáveis. E foi isso que o levou a trabalhar em WandaVision com outro membro da família Olsen.

Agora sua versão do Mercúrio está com Elizabeth Olsen em ‘WandaVision’

Olhando para os comentários que ele fez no passado, é realmente muito engraçado e fofo ver o fato de que ele está contracenando com Elizabeth Olsen agora.

A aparição de Evan Peters em WandaVision foi comentada por um tempo, mas ainda assim foi uma revelação bastante épica. Pietro de Wanda, no Universo Cinematográfico Marvel, morreu tragicamente em Avengers: Age of Ultron (Vingadores: A era de Ultron). Esse foi o primeiro filme em que os gêmeos foram apresentados, assim como Visão de Paul Bettany, embora Bettany dublasse JARVIS desde o Homem de Ferro de 2008.

Mas com Wanda criando uma nova realidade em WandaVision, e possivelmente fundindo multiversos, ela de alguma forma traz a versão X-Men do Mercúrio da Fox, também conhecido como Peters. No episódio 6, ele aparece como se fosse Pietro de A era de Ultron, apenas neste novo corpo e com esta nova voz (e uma personalidade semi-nova). Ninguém pode explicar isso e é um pouco suspeito.

Novamente, existem muitas teorias quando se trata desta série. Portanto, será empolgante para os fãs ver se o Mercúrio de Peters é realmente a versão dos X-Men ou se ele é outra pessoa disfarçada e está apenas ali para confundir os fãs. Mas para Peters, é divertido olhar para trás, para seu desejo original de LA e ver onde ele está agora. Mesmo que Elizabeth Olsen seja completamente diferente de suas irmãs, é claro.

 

Fonte: Flaunt Magazine

Meio que ofendidos, os ratos escaparam para vagar por um novo território – uma casa, neste caso, em uma cidade ao norte de Los Angeles. Seu charme sulista emanando de seu cheiro de mofo e papel de parede floral manchado – ou dos dois robustos treinadores de ratos, claramente feitos de um temperamento mais áspero do que os daqueles vestidos elegantemente nesta sessão de fotos. Os treinadores se arrastam atrás das pequenas bestas peludas, um tanto sem ar e ofegando. Eles mal trocaram duas palavras com alguém no set – mas estão se comunicando, em línguas ou algo assim, com os vermes. É tudo grotesco. E o único no set que permanece totalmente imperturbável é o foco principal do nosso dia – o jovem Sr. Evan Peters.

“Não deixe os ratos pretos saírem! Só os marrons ”, diz o fotógrafo com um olhar selvagem. O motivo? Ratos negros são os ratos lendários – aqueles que anunciaram a Peste Negra, aqueles que representam o mal, a sujeira e o pecado, aqueles que acabarão com este mundo. Todos ao redor de Peters estão um pouco nervosos, mas talvez porque ele entenda o mal, o horror e tem noções não tão alegres como o fim do mundo, ele se senta quieto e imperturbável em um colchão cheio de percevejos em um sótão onde excrementos de camundongos distribuem hantavírus para todos os lados. Ele não hesita. Ele não registra medo ou incomodo, mesmo quando os ratos, com seus pés de garras minúsculas, correm desesperadamente por todo o seu corpo. Em um ponto, um rato tenta escapar da cena, mas um dos treinadores agarra seu rabo e o joga sem cerimônia de volta em Peters. Não há como escapar. Mas para Peters, isso não é um inferno.

Nada mal comparado com o thriller da FX de Ryan Murphy, AHS (American Horror Story para os não iniciados, e para aqueles que não assistem porque “fisicamente não conseguem lidar com isso”, como diz o empresário de Peters). Na aclamada série com respingos de sangue, Peters é constantemente solicitado a fazer o inimaginável. “Eu mal sabia que seria torturado durante toda a temporada”, diz Peters, brincando com a faca do jantar da churrascaria WeHo onde nos encontramos com seu empresário, após as sessão de fotos, explicando a emoção que sentiu quando Murphy ligou com a notícia de que ele seria um dos atores transportados para a segunda temporada (grande parte do elenco foi dispensada, mas Jessica Lange, Zachary Quinto e Sarah Paulson permaneceram).

A primeira temporada já o provou muito como Tate Langdon. Lá ele estava vestindo um traje lustroso de látex, estuprando e engravidando mães com seu filho de demônio e massacrando uma escola de Ensino Médio – tudo com uma risada doentia, uma escuridão irreprimível e uma alma torturada, brutalizada, mas ainda capaz de se apaixonar, pela personagem de Taissa Farmiga, Violet. Na parte seguinte, Peters interpreta Kit, um prisioneiro do manicômio Briarcliff, e mostra bastante a pele (fãs meninas e meninos, tomem nota) enquanto é torturado implacavelmente, naturalmente.

Peters saboreia a angústia de seu personagem na tela e, em algum grau, reflete sua escuridão? Ele pega a lâmina e corta o ar, com curiosidade em seu olhar e então ele dá uma risada contagiante. Há algo ligeiramente perturbador em sua risada. Não apenas sua risada estilo Tate Langdon. Sua risada pessoal. Mesmo enquanto interpreta o garoto patinador desajeitado em Sleepover (Dormindo fora de casa) de 2004 ou o leal companheiro de luta de artes marciais em Never Back Down (Quebrando as regras) de 2008, ou o outro parceiro em Kickass de 2011, há algo irregular na cadência desse ha-ha-ha – ele contém imprevisibilidade combinado com emoções em camadas. É irreverente, mas sério. É essa incapacidade de apontar o que está pensando que torna Peters tão fenomenal como ator. O Tate de Peters não era apenas o seu lunático atirador delirante diário. Isso teria sido bem chato. Em vez disso, ele imbuiu seu personagem com camadas sobre camadas de complexidade intangível e semelhante à da web. Ele não era apenas torturado, esquisito, deprimido, psicótico, brutal e frio… Ele era terrivelmente romântico, vulnerável, alegre e ele mesmo, uma vítima. Sua capacidade de tornar todas essas emoções críveis transformou Peters em uma das melhores coisas de AHS.

Quando Peters e eu nos conhecemos, quatro episódios tinham sido concluídos e haviam mais sete da segunda temporada para serem gravados. Apesar das risadas, Peters está ansioso, definitivamente não relaxado. “Ah cara,” ele diz. “Eu apenas rezo. Rezo para que [o restante da temporada] não seja muito difícil de fazer. Que apenas seja mais fácil! ” Peters solta sua risada mais uma vez, depois fala sobre sua outra co-estrela, Paulson, e como eles se unem no set, incitando um ao outro a rir durante cenas intensas de dor física e emocional, enquanto o outro está fora da câmera, rindo. “Ela e eu somos muito torturados, então não estamos muito animados para ir trabalhar”, explica ele. “Temos que tornar divertido de alguma forma. Quer dizer, nem tudo é um pesadelo.”

Ou é? É possível que o sucesso de AHS resulte em seu tipo de atuação? Peters balança a cabeça com firmeza. “Não. Eu não vou deixar isso acontecer… De jeito nenhum ”, ele afirma, deixando claro que não é fanático por pornografia de tortura. “Depois do Último Tango em Paris , Marlon Brando disse: ‘Nunca mais vou me machucar por causa de um filme.’ E é assim que eu fico depois que a série acaba.” Ele está falando sério. Ele não sabe, por exemplo, como seu ícone moderno, DiCaprio, pode assumir papel exigente após papel exigente. “Ele é o ser humano mais forte que existe”, diz ele. “Talvez seja por isso que Leo pode fazer isso. Dá trabalho. É difícil demais para mim. Requer muito de mim para fazer. Talvez porque ele esteja fazendo isso por tantos anos, ele pode continuar fazendo porque ele tem controle sobre isso. Eu simplesmente não consigo. Não é para mim.” Ele faz uma pausa e explica: “Não gosto de ficar triste o dia todo. Eu não gosto de fazer isso. Não é divertido.”

Portanto, antes de imaginar todos os tipos diferentes de psicopata raivoso que Peters possa estar no curso de seus próximos projetos, apenas pare. A comédia é onde você provavelmente o verá em seguida. Sem risadas aqui. Ele finalmente criou coragem para a comédia. “Sempre tive muito medo. Fiz um episódio de The Office, e acho que poderia ter sido muito mais engraçado! Mas eu estava com medo. Agora que passei por AHS, não estou com medo ”.

Quanto à vida pessoal de Peters, há uma coisa de que ele talvez sempre tenha medo: sua mãe, ou pelo menos ele dá muita atenção aos avisos dela. Ele tem duas tatuagens. “MÃE” em seu braço esquerdo que ele mesmo desenhou, e um pequenino polegar para cima (o polegar para cima é uma marca de aventuras anteriores em um clube). “Ela disse: ‘Você pode fazer uma tatuagem, desde que diga ‘mamãe’ e eu disse, ok!” Seus pais estão em St. Louis e ele envia para eles alguns mimos, geralmente encontrados em gifts.com. Outro destino favorito de Peters é o Iamastuffedanimal.com, onde ele se transformou em bicho de pelúcia em mais de uma ocasião. “Isso é narcisista?” ele se pergunta rindo e encolhe os ombros. “Eles sentem muito a minha falta.” A melhor coisa sobre Peters é sua honestidade e sua aparente inocência na máquina de Hollywood. E mudanças em sua vida? Ele tem um novo aparelho de som em seu Pontiac para que possa conectar seu telefone para ouvir música. Isso o empolga, em 2012, não precisar trocar os CDs enquanto dirige. Ele fala sobre o quanto ainda precisa aprender e diz repetidamente quanto trabalho ainda tem pela frente. “Eu quero chegar, acho que todo mundo quer chegar, ao mesmo nível de Brad Pitt e Johnny Depp. Então, em termos de caminho, você sabe, há muito mais trabalho a fazer.” Ele se repete. “Muito mais trabalho. Estou feliz, mas não relaxado. ”

 

Nesta semana, tivemos a surpresa de ter o primeiro trailer da série original da HBO Mare of Easttown, protagonizada e produzida pela atriz Kate Winslet, onde Evan Peters estará atuando como Detetive Colin Zabel, o lançamento da minisérie é 18 de abril e será exibido pela HBO Brasil.

Nossa equipe legendou o trailer em nosso canal do youtube, confira!

 

Os screencaps das cenas do Evan, já estão em nossa galeria!

Projetos para Televisão | Projects for Television > Mare of Easttown (TV Series 2021) > Screencaps | #1 Trailer

Fonte: MovieWeb

Tudo bem então! Um novo boato surgiu alegando que Ace Ventura 3 está em andamento, com a estrela de X-Men, Evan Peters, supostamente sendo procurado para assumir o papel do detetive de animais de estimação extremamente popular. Retratado originalmente por Jim Carrey, a ideia é trazer Peters como o filho do personagem de Carrey, que assim como seu pai, tem uma afinidade por animais, camisas havaianas e penteados gigantes em estilo pompadour.

Embora haja pouquíssimas informações sobre o suposto Ace Ventura 3, esse boato vem de uma fonte bastante confiável e embora Evan Peters nunca tenha mostrado a energia maníaca ou as expressões faciais digna dos quadrinhos do calibre de Carrey, seu potencial como o filho de Ace Ventura é imediatamente esclarecido. A estrela de Evans está inegavelmente em ascensão no momento graças ao seu papel em várias grandes franquias, como X-Men e American Horror Story, bem como seu papel misterioso na série Disney + Marvel, WandaVision, tornando-o um patrimônio primordial de Hollywood e uma escolha inspiradora para liderar uma sequência de Ace Ventura .

O público viu Ace Ventura pela primeira vez em Ace Ventura: um detetive diferente, de 1994. Estrelado por Jim Carrey como o louco personagem do título do filme, Ace é contratado pelos Miami Dolphins quando seu mascote golfinho, Snowflake, é subitamente sequestrado. Logo os jogadores do Miami Dolphins também começam a desaparecer, incluindo o craque Dan Marino, representado por ele mesmo, tornando o trabalho do detetive Ace ainda mais urgente. Trabalhando com a representante do Dolphins, Melissa Robinson, Ace gradualmente se aproxima dos culpados, mas não antes de proferir muitos bordões ridiculamente citáveis ao longo do caminho.

Dirigido por Tom Shadyac a partir de um roteiro que escreveu com Jack Bernstein e Jim Carrey, Ace Ventura: Um detetive diferente com as co-estrelas Courteney Cox, Tone Loc, Sean Young e o ex-zagueiro do Miami Dolphins Dan Marino e apresenta uma participação especial da banda de death metal Cannibal Corpse. O filme foi um grande sucesso, arrecadando $ 107,2 milhões com um orçamento de $ 15 milhões, lançando Carrey na estratosfera da listaA junto com O Máscara e Debi e Lóide, todos lançados no mesmo ano.

Ace Ventura: um detetive diferente rapidamente gerou uma sequência, Ace Ventura: Um maluco na África, de 1995, que mostra o investigador particular sendo convocado para a África para localizar um morcego desaparecido, que por acaso é a única criatura que ele despreza. Outro grande sucesso financeiro, mas nem a sequência, nem seu antecessor foram particularmente apreciados pela crítica, mas os dois filmes encontraram enorme popularidade entre o público em geral, com o personagem sendo uma das criações mais queridas de Carrey.

Se Evan Peters fosse trazido como filho de Ace Ventura, esta não seria a primeira vez que tal abordagem seria tentada. Lançado em 2009, O filho do Ace Ventura com a estrela Josh Flitter como Ace Ventura Jr., filho de Ace Ventura, que deve seguir os passos de seu pai para salvar sua mãe de ir para a cadeia. Um cash-in barato feito para a TV, O filho de Ace Ventura não teve nenhum envolvimento de Jim Carrey ou do escritor Steve Oedekerk, e o fato de você nunca ter ouvido falar dele agora diz tudo que você precisa saber sobre sua qualidade.

Embora tudo isso continue sendo um boato por enquanto, não há dúvida de que todos nós poderíamos aproveitar um pouco de Ace Ventura em nossas vidas.

 

 

Fonte: Collider

A série American Horror Story  da FX frequentemente brinca com nossos medos mais básicos, mas sua sétima temporada, American Horror Story: Cult, levou as coisas um passo adiante, para explorar o nível de intensa ansiedade que muitos experimentaram desde a eleição presidencial. Não importa de que lado você esteja particularmente, é fácil se relacionar e simpatizar com o sentimento de perda, confusão ou medo, e quando isso é usado intencionalmente para induzir o medo de forma muito eficaz, pode ser mais assustador do que qualquer entidade sobrenatural.

Durante esta entrevista individual por telefone com a Collider, o ator Evan Peters (que interpretou Kai Anderson, um jovem com problemas mentais que lidera um culto de seguidores que obedecem a suas ordens e que fez um trabalho incrível em todas as temporadas da série, até agora) falou sobre os desafios de AHS: Cult, o que foi dito a ele sobre seu papel, antes do início da temporada, como Ryan Murphy o desafiou, como ator, como a vida real às vezes pode ser mais assustadora do que o terror sobrenatural , de que forma ele abordou o papel de Kai e assumiu tantos personagens nesta temporada. Ele também falou sobre como foi legal para Simon Kinberg se tornar diretor de X-Men: Fênix Negra, e porque ele está animado em fazer parte da próxima série de Ryan Murphy para FX, Pose. Esteja ciente de que spoilers desta temporada são discutidos.

Collider: Você é um dos veteranos de American Horror Story, a esta altura, mas a cada temporada você ainda enfrenta novos desafios que eu acredito que você nunca poderia ter esperado ou imaginado. Antes do início desta temporada, o que Ryan Murphy disse a você sobre o tema da temporada e seu personagem? 

EVAN PETERS: A única coisa que ele me disse sobre a temporada, foi que eu seria o líder de uma seita. Foi basicamente isso. Eu não sabia nada sobre a política nisso tudo, e também não sabia que interpretaria todos aqueles personagens. Fiquei um pouco chocado com tudo isso.

Ryan Murphy reuniu a melhor família de atores de todos os tempos, e eu amo como ele tende a ver coisas em seus atores que nem eles conseguem ver em si mesmos. Em todo o tempo que você passou trabalhando e colaborando com ele, o que você aprendeu sobre você e do que é capaz como ator? 

PETERS: Ah, cara, essa é uma ótima pergunta. Ele vê coisas que eu nunca pensei que interpretaria em minha vida, com qualquer um dos personagens que ele me fez representar. Além disso, interpretar Kai foi obviamente muito intenso. Ele perde a cabeça, por isso foi muito desafiador entrar nessa área. A quantidade enorme de diálogos que recebi foi bastante chocante. Não sabia se conseguiria memorizar tudo isso. Algumas temporadas, tive grandes cenas para fazer, mas essa foi muito densa em cada episódio. Depois dos episódios 8 e 9, pensei que eles iriam passar para Sarah [Paulson], eu não teria tantos diálogos e teria um descanso, mas havia ainda mais. E então, com o episódio 11, houve ainda mais do que isso. Eu estava em choque. Eu não sabia como seria capaz de fazer isso. Foi um processo muito assustador. Acabei de fazer. Eu tinha que apenas me levantar e fazer isso. Não havia tempo para pensar.

Normalmente, eu penso demais. Rumino, marino e cozinho nessa porcaria toda, mas não tinha tempo. Não tive tempo de fazer isso. Não tive tempo para adivinhar ou duvidar ou me preocupar, ou qualquer uma dessas coisas. Foi uma lição legal nessa área, onde percebi que talvez não precisasse pensar tanto e nem me preocupar com todas essas coisas, e poderia simplesmente fazer isso e sair da minha intuição e do meu instinto e apenas brincar com isso. Você pesquisa e tenta repassar as coisas o máximo que pode, mas o tempo é limitado e você apenas precisa seguir em frente. Essa foi uma lição muito legal que aprendi, e tenho que agradecer a Ryan por me dar a chance de aprender isso sobre mim e por me dar tanto trabalho nesta temporada para fazer e me desafiar. Foi muito gratificante.

Esta temporada realmente se baseou na fonte de material mais horrível que existe, concentrando-se na eleição presidencial de 2016. Você achou esta temporada, em particular, a mais assustadora porque chega tão perto de nossa situação de vida atual, ou você acha que o terror sobrenatural é mais assustador do que o terror da vida real?

PETERS: Assisti ao episódio 6, com o tiroteio, e pensei: “Isso é real. Isso está realmente acontecendo.” Na série, era uma escala pequena em comparação com o que estava acontecendo no mundo real e isso era o que mais me assustava. É triste e assustador e um pouco perto demais do que vivemos. Eu acho que foi bom eu ter visto isso e sentir isso porque essa merda está acontecendo muito agora e é muito, muito assustador. É assustador, nesse aspecto, quando chega perto de que vivenciamos. Quando criança, eu tinha mais medo de coisas sobrenaturais, fantasmas e goblins e o Guardião da Cripta de Contos da Cripta. Sempre tive medo de que ele me perseguisse escada acima, quando era criança. Mas então, conforme você envelhece, você fica tipo, “Talvez possa existir, mas eu realmente não vi nada disso”. Então, você vê as coisas da vida real e realmente atinge um nervo em seu sistema nervoso central e você começa a ter medo real em sua vida cotidiana. Acho que essa temporada foi muito assustadora, por esse motivo.

Qual foi a sua abordagem para encontrar Kai? Você queria encontrar maneiras de torná-lo compreendido e esperava que os espectadores pudessem de alguma forma encontrar uma maneira de simpatizar com ele ou pelo menos entendê-lo, ou você o via como alguém que realmente não tinha esperança de redenção? 

PETERS: Quando li o episódio 5, que continha a história da família, me senti mal por ele. Eu simpatizei com ele, dessa forma. Qualquer um que passa por isso, e então ter seu irmão fazendo isso para encobrir, é loucura e bagunçaria totalmente alguém, especialmente se eles já tivessem alguns problemas óbvios. Isso me ajudou a simpatizar com ele, mas ele continuou a levar as coisas longe demais. Ele se perdeu. Ele apertou um botão e foi para outra área. Não acho que possa haver muita simpatia, mas há o fato de que ele perdeu sua família e está tão longe que matou o que restava de sua família. Acho que a criança ainda está dentro dele, querendo uma família e querendo ter pessoas ao seu redor que o amem. É aí que ele quer ser um líder de culto e ter todas essas pessoas o amando e admirando. E então, isso tomou conta de sua alma e de suas entranhas, e ele acabou matando as coisas que ele mais amava. Nesse caso, acho que você poderia simpatizar com ele, mas também acho que qualquer pessoa que tenha ido tão longe deve ser interrompida.

Como foi enfrentar indivíduos tão infames como Charles Manson, David Koresh, Jim Jones, Marshall Applewhite e Andy Warhol, e ainda assim ter Kai sendo o mais cruel de todos eles? 

PETERS: Eles são todos muito tristes e terríveis, à sua maneira. O fato é que aquelas outras pessoas eram reais e todas aquelas coisas aconteceram, na vida real. A parte mais maluca é que isso realmente aconteceu. As famílias das pessoas foram arruinadas e pessoas morreram. A parte mais assustadora sobre isso é que realmente aconteceu. É realmente assustador!

Houve um dos líderes de seita que você achou mais desafiador para interpretar ou cada um era seu próprio desafio? 

PETERS: Cada um tinha seu próprio desafio. Assisti a muitos vídeos no YouTube e os ouvi falar muito. Eu os vi pregar e assisti a entrevistas com eles, e tentei identificar seus trejeitos e vozes. Então, você tem que pesquisar no que eles acreditavam, quem eles eram, o que estava acontecendo ao seu redor e seu culto. Jim Jones foi um dos mais desafiadores. Eu não me pareço em nada com ele, então eles fizeram várias próteses, o que foi muito legal. Também era o mais difícil de pesquisar porque era o mais triste. Eu ouvi a própria fita, no YouTube, dele dizendo aos seus seguidores para beberem Kool-Aid, o que foi horrível. Mas todos foram desafiadores, à sua maneira. Todos eram desafiadores, na maneira como falavam, fosse um sotaque, seu tom de voz ou o que quer que fosse. Manson foi difícil porque é Charles Manson. Ele é incrivelmente famoso, e todo mundo o conhece e já o viu. Existem diferentes estágios do Manson, também, com o jovem Manson, estando na prisão por um tempo, o Manson, e o Manson mais velho. Há uma gama de entrevistas online dele agindo de maneiras diferentes, então foi realmente sobre como deixá-lo louco e como ele seria sedutor. Era algo desafiador de se interpretar. Além disso, encenar contra mim como Manson foi difícil. Koresh foi difícil por causa das crianças. Trabalhar com as crianças e falar como Koresh com elas era muito estranho. Parecia errado em tantos níveis. Fiquei feliz por todos os pais estarem lá para dizer, “Não, não é real! É um programa de TV!” E então, Andy foi difícil porque muitos grandes atores interpretaram Andy Warhol. Isso foi um pouco estressante, para dizer o mínimo.

Você recentemente fez outro filme dos X-MenX-Men: Fênix Negra. O que você achou da experiência de trabalhar com Simon Kinberg como diretor? Ele está na franquia como produtor, mas é seu primeiro filme como diretor, então como ele lidou com um filme de orçamento tão grande? 

PETERS: Ele foi ótimo! Ele esteve no set de todos aqueles filmes, então ele viu tudo acontecendo. O que é legal nisso é que ele é o escritor e sabe o que quer. Ele conhece a história. Ele estava sempre no set ajudando, mas agora ele fica no comando, o que é muito legal, porque eles são realmente bebês de Simon. Foi legal vê-lo ter sua visão completa, totalmente sua. Foi ótimo trabalhar com ele. É uma oportunidade legal, e estou feliz por ele ter feito isso porque foi muito legal.

Você também assinou contrato para o próximo piloto de drama FX de Ryan Murphy, Pose (junto com Tatiana Maslany, Kate Mara e James Van Der Beek), o que parece uma história interessante com um grande elenco. Com o que você está mais animado, com o mundo que ele está criando para essa série?

PETERS: É fantástico que ele esteja dando à comunidade transgênera a oportunidade de realmente perseguir seus sonhos e agir. Ele está dando os papéis para pessoas transgêneras reais, o que eu acho incrível e muito emocionante. Estou feliz por trabalhar com ele, aprender e crescer. A história contece em 1987, durante a cultura do baile em Nova York. É uma época histórica, e foi uma época muito complexa para as pessoas trans. Mas é complicado. Você quer fazer tudo certo. Nunca é um papel fácil com Ryan. Ele sempre me dá algo complicado e interessante, e algo com que me desafiar. É por isso que estou animado também.

 

Fonte: The Direct

 

A Marvel Studios teve oficialmente seu primeiro momento de grande impacto no episódio 5 de WandaVision na semana passada, que trouxe Mercúrio de Evan Peters dos filmes do X-Men da Fox para a MCU. Este momento trouxe um suspiro coletivo dos espectadores quando a Marvel trouxe esta revelação chocante apenas na metade da temporada.

WandaVision encontra uma maneira de trazer coisas novas e emocionantes todas as semanas, especialmente misturando as histórias do que está acontecendo em Westview e o que está acontecendo fora da bolha com a SWORD. Considerando tudo, mesmo com tantos momentos de cair o queixo que aconteceram esta semana, Peters sem dúvida roubou a cena no último segundo.

Acontece que o próprio Peters compartilhava a mesma paixão por este momento de todos que o assistiam no Disney +.

O ENTUSIASMO CONTAGIANTE DE EVAN PETERS

Em uma entrevista recente à Marvel, a  roteirista principal de WandaVision, Jac Schaeffer, falou sobre o quanto Evan Peters adorou interpretar Pietro Maximoff na série do Disney +. Schaeffer elogiou Peters como um verdadeiro fã da Marvel que está “sempre pronto para a opção mais estranha” quando se trata de desempenhar seu papel:

“Estávamos plantando isso há muito tempo e não sabíamos se seria possível. Foi complicado de fazer acontecer. Evan estava sempre pronto para isso – tipo, sempre, sempre, sempre. Ele é fã de quadrinhos e da Marvel. Ele está sempre pronto para a opção mais estranha. E é um prazer – realmente um prazer trabalhar com ele. ”

PETERS JÁ É UMA HISTÓRIA DE SUCESSO DA MCU

Depois que a fusão entre Fox Studios e Disney aconteceu, o status dos atores mais recentes dos filmes X-Men estava instantaneamente no ar. O consenso parecia ser que, se algum desses personagens voltasse, Evan Peters seria um dos nomes no topo da lista.

É incrivelmente revigorante ouvir o quanto todos no set amavam Peters nos bastidores, particularmente vindo da roteirista principal da série. Depois de três aparições com a Fox Studios, está claro que Peters se sentiu em casa trazendo esta versão do velocista da Marvel para a primeira série do Disney + do MCU.

Ainda há um grande mistério em torno desse renascimento do Mercúrio, especialmente levando em consideração que nada em Westview pode ser considerado pelo que parecer ser. O “Episódio 6” ,com sorte, contará mais da história de Peters como Pietro e é garantido que será algo especial, considerando como a temporada começou.

WandaVision continuará com seu próximo episódio na sexta-feira, 12 de fevereiro.

 

Fonte: Esquire Magazine

O fantasma de Tate Langdon está deitado em um sofá de veludo verde em uma mansão centenária em Los Angeles. Ele está cercado por murais pintados a mão com temas alegóricos, luminárias e lustres art déco. Uma cena tirada diretamente de American Horror Story, exceto que é a vida real e não tem fantasmas; Evan Peters o ator americano de 32 anos de idade que interpretou Langdon – e um bando de outros personagens – em AHS e é provavelmente bem conhecido por seu papel como Mercúrio nos filmes mais recentes de X-Men.

Peters está em Los Angeles para aproveitar seus últimos momentos de descanso, antes de embarcar em uma grande e agitada turnê de divulgação, indo de um continente para o outro para promover o mais novo filme de X-Men, Fênix Negra. Nós estamos propositalmente nesta casa histórica para uma sessão de fotos, mas uma estranha coincidência marca o dia.

Um característica de longa data de AHS é inserir de maneira divertida figuras históricas reais em uma narrativa de ficção de diferentes gerações – um tipo diferente de cameo. A perversa Madame Delphine LaLaurie, de New Orleans, é uma das vilãs do Coven; Serial killers conhecidos como Aileen Wuornos e Richard Ramirez jantam juntos em Hotel.

Como um espectador, você nunca sabe quando outra pessoa da história vai se juntar à narrativa atual. Esse tema recorrente ganha vida depois que a sessão de fotos muda para o andar de cima e Evan fica cara a cara com uma foto aleatória: um retrato emoldurado do famoso empresário de talentos Jeff Wald e do presidente Jimmy Carter, embora nenhum dos dois tenha qualquer conexão aparente com esta casa.

Carter é um rosto familiar para o resto de nós, mas é a imagem de Wald que choca Evan. Wald era o marido e empresário de Helen Reddy, ativista e cantora do hino vencedor do Grammy de 1972 “I Am Woman”. Evan já conhece todos esses fatos porque acabou de filmar a cinebiografia de Reddy na Austrália.

Ele interpreta Jeff Wald.

Ao longo da tarde, enquanto ele fala extensamente sobre sua vida e carreira, vários eventos fatídicos acontecem. Como se estivéssemos reunindo as reviravoltas de um programa de TV de Ryan Murphy, todos começamos a sentir que há algo mais, uma força desconhecida, por trás desta reunião. Será que Peters poderia ter se encontrado nesta casa em particular não apenas porque o roteiro dizia isso, mas por algum outro motivo misterioso?

 

Em Fênix Negra, Peters reprisa seu papel como Mercúrio, e cada aparição agora tem uma sequência CGI que rouba a cena, onde o Mercúrio salva o dia de forma divertida, tratando os objetos e as pessoas na sala como se fossem parte de seu próprio improviso de cena, mexendo em uma bala aqui, fazendo um moonwalking por uma explosão ali. Essas cenas agora se tornaram momentos esperados dignos de um trailer.

Tornar-se parte desta família Marvel significa trabalhar ao lado de Hugh Jackman, Jennifer Lawrence, Michael Fassbender, Jessica Chastain e outras estrelas. Este é o tipo de lista grupo A que faz Evan pensar: “o que estou fazendo aqui?” Ele jura que não tem muitos momentos Hollywoodianos, mas fazer parte dessa franquia os cria.

“No primeiro dia em que estive no set de X-Men,” ele disse, “com minha peruca cinza, caminhando até o set e saindo de lá está Hugh Jackman. Ele é enorme, e ele disse, ‘ei cara’. Eu estava tipo, ‘ei, e aí’. Foi um momento surreal porque assisti a esses filmes minha vida inteira.”

Sua “vida inteira” começou em St. Louis, onde ele cresceu como o “garotinho atarracado” que faria qualquer coisa para arrancar uma gargalhada. Quando ele tinha 15 anos, se mudou para Los Angeles, com o apoio de sua mãe, para continuar atuando. Ele rapidamente encontrou papéis e teve que começar a estudar em casa no primeiro ano do Ensino Médio. Embora sinta que perdeu na parte da educação, ele não sente que perdeu os marcos sociais como o baile e a vida no dormitório da faculdade. Era apenas diferente.

“Tínhamos uma casa ótima que chamamos de Wilton Hilton. Era como uma casa de fraternidade. Era incrível. Garotos e garotas moravam lá, mas era uma casa muito divertida. Atores, músicos, gente que trabalhou nos efeitos especiais, fotógrafos, todo mundo. Eu era um colega de quarto honorário. Eu meio que morava no sofá.”

Nesse ponto de sua carreira, ele estava conseguindo papéis em vários episódios em programas de TV como Phil do Futuro da Disney. Nos bastidores, “somos apenas um grupo de amigos e todos nós saímos e vamos ao The Grove [shopping] para o karaokê”. (Canção de karaokê favorita: ‘Informer’ do Snow porque ninguém sabe a letra.)

Peters realmente não se envolveu em muitos problemas durante aqueles primeiros anos. Isto é, fora acabar na infame lista de conquistas que Lindsay Lohan escreveu no verso de um cartão Scattergories. Ele ri disso. “Isso foi uma loucura. Sim, todos os amigos de onde eu morava estavam tipo, “o quê !?” Eu estava tipo, “sai daqui”.”

 

Na verdade, no que diz respeito a crimes, ele mantém isso só nas telas. Embora ele tenha interpretado o mentor do roubo em American Animals, o pior que ele fez na vida real foi estar por perto quando seu amigo decidiu roubar um ambientador do Wal-Mart. “Eu realmente não sei por que ele fez isso. Talvez o quarto estivesse fedendo e ele só quisesse um purificador de ar? Acho que foi só pela emoção de fazer isso.”

Se Peters planejasse um assalto, o único item que ele cobiçaria o suficiente para arriscar a punição seria o Wurlitzer de Paul McCartney. “É uma espécie de teclado bem pequeno. Eles são old school. São incríveis.” Isso faz sentido, considerando que o melhor presente que ele recebeu foi quando era criança e seus pais lhe deram um teclado de Natal. E sim, ele ainda tem.

Mas essa não é sua memória de infância favorita. Essa experiência foi superada por período que estava doente, que ele passou sentado em seu pufe, jogando Mario em seu Nintendo 64 e assistindo Snick à noite, o bloco de programação infantil semelhante aos programas em que ele seria escalado para seu primeiro papel.

Ocorre a ele: “Isso foi … preguiça? Um dos sete pecados capitais, certo? Tenho que trabalhar nisso.” Mas, como adulto, sua preferência por um ritmo mais lento não diminuiu. Ele admite que tem o apelido de Velho Peters porque gosta de ir para a cama cedo. Ele brinca: “O velho Peters não quer sair hoje à noite”. A menos que seja karaokê, “que é muito de velho”.

Sua piada é um lembrete de que o verdadeiro Evan Peters não é uma versão dos personagens sombrios e atormentados que ele interpretou nos últimos anos. Na verdade, alguns de seus primeiros papéis em longas-metragens foi interpretar o ajudante pateta, como o vimos em Kick-Ass e Quebrando Regras (Never Back Down). Ele se relaciona com o aspecto de aspirante desses personagens.

“Eu me sinto como se fosse totalmente um aspirante. Como se eu nunca fosse exatamente o que quero ser exatamente.” Para especificar, pergunto a Peters a carreira de quem ele deseja imitar. Ele responde rapidamente: “A de Fassbender.” E então acrescenta: “Gosling, DiCaprio, Clooney, Hanks. A lista não tem fim. Esses caras são incríveis. E eles são atores brilhantes. Bradley Cooper.”

Nem mesmo suas tatuagens não são perigosas. Peters tem duas. “MOM” (mãe) está impresso em seu ombro esquerdo. Ele afirma que sua mãe adora. E o que o pai dele acha? “Talvez eu devesse colocar “DAD” (pai) no outro braço.” Mas ele rapidamente abandona sua própria ideia.

“Bem, isso é um pouco estranho.”

Ele também tem um carimbo de polegar para cima em sua mão direita. Ele estava em uma festa no W Hotel e depois disso, impulsivamente, conseguiu que o carimbo de entrada se tornasse uma tatuagem permanente. Pergunto se agora ele ganha descontos no hotel. Mas ele não saberia porque ele não voltou desde então.

American Horror Story é conhecido por reformular os mesmos atores em diferentes papéis, então rostos familiares continuam surgindo em novos cenários. É uma peculiaridade divertida. A proprietária da casa histórica usada na foto de hoje, Alex McKenna, passa pelo equipamento fotográfico. Uma atriz loira com uma aura atemporal, ela tem um chihuahua chamado Tallulah debaixo do braço.

Peters não a conhece, mas como se fosse parte de um elenco, ele imediatamente a reconhece como a mesma mulher que estava sentada ao lado dele em uma aula de atuação na noite anterior. Todos ficam um pouco surpresos com isso e se torna a conversa sobre set. (No entanto, estou mais surpreso que um ator tão bem sucedido como Evan Peters ainda opte por fazer aulas de atuação.)

Depois da sessão, Peters se junta a mim naquele sofá verde, agora em jeans rasgados, cabelo desgrenhado, ainda molhado das últimas fotos em que posou no chuveiro. Nós deixamos de lado todas as estranhezas da casa e conversamos sobre seu relacionamento de longa data com American Horror Story.

O programa de antologia da FX, criado por Ryan Murphy e Brad Falchuk, obteve 89 indicações ao Emmy, com 16 vitórias. Embora a nona temporada seja a primeira em que Peters não fará parte do elenco, ele ainda estará assistindo como um espectador. E os lembretes de sua passagem pela AHS nunca estão longe. Literalmente.

“Eu tenho as mãos!”

Peters está se referindo à prótese de “garra de lagosta” que ele usou ao interpretar Jimmy Darling em AHS: Freak Show, um homem com ectrodactilia, que causa fenda nas mãos. “O departamento de maquiagem é incrível e eles me deram algumas mãos de madeira e eu também ganhei um molde de silicone. Cada vez que eu os usava, eles colocavam um novo conjunto e jogavam fora. Então, eu tenho um desses conjuntos. ” E essas mãos vivem no covil de Peters, em uma pequena caixa de madeira com o rótulo Jimmy Darling.

A pergunta mais comum feita a Peters é “qual era seu personagem favorito para interpretar”, e sua resposta nunca vacilou: Tate Langdon, o jovem atirador da escola e fantasma, preso na Murder House da primeira temporada de AHS. “Não sabíamos o que era a série, era emocionante e era louco. Ele era um personagem tão complexo, como se o dualismo envolvido com aquele cara fosse um verdadeiro desafio de interpretar. E Taissa [Farmiga]. Havia algo de mágico nisso. ”

 

Isso foi no começo, quando Peters só tinha que interpretar um personagem por temporada. Na sétima temporada, Cult, Peters estava passando por várias personalidades, muitas delas infames líderes de seitas. Peters fez seu dever de casa, assistindo documentários e lendo Seductive Poison (“Veneno Sedutor” em tradução livre), um livro de memórias de uma mulher que sobreviveu a Jonestown.

Peters entende que os cultos nunca começam como cultos. Eles começam como movimentos ou igrejas ou utopias. Com líderes carismáticos, eles reúnem seguidores com suas mensagens de amor, aceitação e esperança. Mas, eventualmente, o poder crescente e a natureza insular apagam a luz. Então, a qual culto Peters teria aderido em seus primeiros dias, antes de se tornar obscuro?

“Provavelmente o de Jim Jones. Quer dizer, apenas culturalmente foi um movimento incrível, reunindo todos, todas as diferentes raças e níveis de pobreza, viciados em drogas. Todos foram bem vindos e convidados e parecia uma comunidade muito legal que apoiava bastante.”

Peters tem o carisma. E os seguidores. Felizmente, o único culto do qual ele faz parte é o fandom por seu trabalho. Na Comic-Con ele conheceu uma jovem admiradora, de cerca de 20 anos, que tinha uma tatuagem única. “Ela tatuou meu rosto, como Tate, em sua coxa! E eu fui tocado por isso. Isso é incrível, mas também é tipo, ‘cara, minha cara? Na sua coxa? ‘Tem certeza que quer fazer isso? ”

Uma rápida pesquisa no Google mostra que ela não é a única a pintar permanentemente o rosto de Peters em seu corpo. Com habilidades artísticas variadas, a maioria é da icônica imagem do esqueleto de Tate Langdon. Mas outros personagens que Peters interpretou, Sr. March e Kai Anderson, também foram imortalizados na pele.

Assim como o Mercúrio. Quando ele conseguiu o papel, foi mais que um sonho de toda a vida, mas isso foi antes de Peters saber que trabalhar ao lado do verdadeiro Wolverine levaria a momentos de decepção. Ele explica que quando Jackman ergueu pela primeira vez suas “garras” no set de X-Men: Apocalipse, ele ainda não tinha lido o roteiro.

E quando as garras de Wolverine saíram pela primeira vez, ele ficou surpreso ao ver ossos em vez de adamantium metálico. “É uma aparência bem nojenta e eu fiquei tipo ugh. E [Jackman] disse, “Oh, isso é bom. Você deve fazer isso”.” Sim, Evan Peters, com anos de experiência com sangue em American Horror Story em seu currículo, ficou enojado com os ossos de Wolverine.

Peters levanta a mão e aponta para o acolchoamento onde seus dedos encontram sua palma, “mas o que você não percebe é que [os ossos] são apenas uma pequena placa que tem esses ganchos, que [Jackman] puxa para dentro e para fora. Eles obviamente não saem de sua mão. Foi tão … insatisfatório. Não vê-los sair de suas mãos como uma espécie de truque ou mágica. Eu não sabia o que eles iam fazer, mas ele apenas … segura aquilo.”

 

Percebendo a comitiva de cachorros fofos, de tamanhos que caberiam em uma bolsa, que vagam pela casa, pergunto a Peters se ele tem algum animal de estimação. Ele fica feliz em falar sobre seu cachorro, Marlon. E ele explica tudo para ter certeza de que sei que o homônimo é depois de Brando e não do peixe.

“Ele é um schnauzer-chihuahua. Eu não sabia o que ele era. Eu o encontrei online. Ele era tão pequeno e parecia um schnauzer. Suas orelhas estavam abaixadas na frente. Mas à medida que ficou mais velho, uma arrebitou e a outra também, e então sua cauda começou a se curvar, e ele está se tornando cada vez mais um chihuahua. Eu estava tipo, ‘cara’, eu nunca quis realmente um chihuahua. ”

Peters fala sobre como Marlon é maravilhoso, mas quando pergunto se Marlon o acompanha para o set, ele admite. “Infelizmente, por causa de todas as viagens e trabalho, sou aquele idiota que deu seu cachorro aos pais. Eu sou aquele cara que eu nunca quis ser. Sim, eu sei que é terrível. ” Mas ele passa muito tempo com Marlon toda vez que visita seus pais em St. Louis. E ele estará lá em breve, já que atualmente não está fazendo “absolutamente nada”. Ele está envolvido em todos os seus projetos e não tem outro ainda preparado.

Peters vai passar esse tempo de inatividade visitando sua família, saindo na cidade de Nova York (você pode descansar na cidade de Nova York ??? “Claro que sim.”) E ler. Atualmente, ele está curtindo Armas, Germes e Aço – Os Destinos das Sociedades Humanas. Mas, sua recomendação de livro é O Homem e seus Símbolos de Carl Jung. “É sobre olhar em seus sonhos e interpretá-los. Os símbolos que o homem usa, e o inconsciente coletivo, e isso é fascinante. ”

Ele foi capaz de interpretar um sonho? “Eu tinha um sonho recorrente com a culpa de abandonar meu cachorro e deixá-lo para trás. No livro, há uma certa coisa sobre o animal ser seu instinto. É essa sensação estranha de perder o contato com meu instinto porque o abandonei. Então, é voltar a entrar em contato com meu eu inconsciente e meu verdadeiro eu. ” Ele dá de ombros: “Não sei se é apenas culpa por deixar meu cachorro e abandoná-lo ou se sou eu precisando entrar em contato com meu instinto.”

E é então que a casa oferece outra reviravolta estranha. A porta se abre e um pequeno focinho passa por ela. É Tallulah. Ela pula no colo de Peters, se aninha na curva de seu braço e fica lá pelo resto da entrevista. Um pouco demais para a aversão de Peters aos chihuahuas.

O que me faz pensar qual seria o espírito animal de Peters. Ele pergunta: “O que é um espírito animal?” Dou uma definição embaraçosamente pobre. E Evan conclui: preguiça. Embora ele diga que sempre gostou de chitas. Mas ele insiste que não tem nada em comum com elas, e elas definitivamente não são seus animais espirituais. Ele se compromete com a preguiça.

Isso faz eu me perguntar como um ator, que trabalhou continuamente ao longo de seus anos de formação, descobre quem ele é. Interpretar outros atrapalha seu desenvolvimento porque ele não está passando tempo suficiente sendo ele mesmo? Ou poderia ser o contrário? Ele passou por tantas personas diferentes que pode rapidamente escolher e descartar as características que parecem certas?

 

Peters também está amadurecendo nos tipos de papéis que desempenha. Seu trabalho mais recente na TV foi na primeira temporada de Pose, outra produção de Ryan Murphy e Brad Falchuk, junto com Steven Canals. A série explora a subcultura do baile LGBT underground que tornou “voguing” um verbo. Peters interpreta Stan Bowes, um yuppie em ascensão, casado que se apaixona por Angel Evangelista, uma trabalhadora sexual trans.

Muito diferente dos primeiros dias de Peters na Disney. A série está quebrando barreiras com o maior elenco transgênero para uma série roteirizada e ostentando a primeira mulher transgênero de cor a escrever e dirigir um episódio de televisão. “O elenco é todo transgênero real. Portanto, é autêntico e muito real, e você aprende muito. Todos ficam empolgados em estar no set. A gratidão era contagiante. Fiquei muito orgulhoso de fazer parte disso.”

Peters não estará na segunda temporada de Pose. O que significa que agora ele está deixando totalmente o ninho de Ryan Murphy. Isso se alinha a outro grande ajuste em sua vida. Seu relacionamento de sete anos e noivado com a atriz Emma Roberts acabou. Como é essa transição?

“Eu realmente não sei. É muito assustador. Eu me sinto solto. Mas também é emocionante. O mundo está totalmente aberto.” Ele está namorando novamente. Mas está fazendo isso em seus termos. Ele deixa claro que não adora enviar mensagens de texto. Ele está procurando pela liberdade, que descreve como “você faz o que quer. Eu farei minhas coisas e então nos encontraremos no meio. Vai ser ótimo.” Mas, você não o encontrará em nenhum aplicativo de namoro. Ele é mais tradicional. “Eu prefiro ir falar com alguém, o que é assustador, mas isso é meio que a coisa certa?”

Todo esse desconhecido é a coisa mais assustadora na vida de Peters. Ele bate na mesa de centro de madeira enquanto admite que nunca teve medo de verdade na vida. E no que diz respeito aos fantasmas e ao sobrenatural, ele ainda não está convencido. “Estou confuso agora. Ainda não vi um fantasma ou interagi com nada sobrenatural. Ainda estou esperando o veredicto para isso, mas é muito louco que estejamos aqui filmando isso e eu estava na aula com Alex na noite passada.

Além disso, sua mãe conhece Jeff Wald e há uma foto de Jeff Wald em sua parede encontrando-se com o presidente Carter. Então, isso é um pouco estranho. E talvez seja apenas uma cidade pequena. Talvez? Mas então, talvez o universo esteja dizendo algo? ” Mas o que o universo poderia estar dizendo, ele não sabe.

Peters foi incrivelmente aberto, mas havia algumas perguntas que ele nunca conseguiu responder. Por exemplo: “Se você tivesse os poderes do Mercúrio, que momento você mudaria para ter um resultado diferente? E “qual seria o título de suas memórias? Eu termino com: “Quem te conhece melhor do que você?”

“Aparentemente todo mundo. Eu claramente não me conheço. ”

 

Mas quem o conhece melhor é um homem chamado Cheese (Queijo). Seu nome verdadeiro é Jeff Ward (não deve ser confundido com o mencionado Jeff Wald). Ward interpreta Deke Shaw em Agentes da Shield e também interpretou Charles Manson no filme Lifetime, Manson’s Lost Girls. Evan e Jeff se conheceram em uma mesa de leitura em 2014 e se tornaram amigos rapidamente. Ward tem o mesmo apelido de Cheese para Peters. Como em “tudo fica melhor com queijo”. Então, pedi a Ward para responder às perguntas que Peters não conseguia.

Usando as habilidades do Mercúrio, qual seria o momento em que Peters mudaria em sua própria vida? Ward responde: “Ele começou a atuar porque tinha uma queda pelas gêmeas Olsen. Eu suponho que provavelmente seria algo em sua adolescência acabar sendo casado com uma delas.”

Espírito animal de Peters? “Eu não sei por que o leopardo continua vindo à mente. Evan é muito inteligente, instintivo e extremamente capaz. Ele é astuto como um gato selvagem.” Digo a ele que Evan adora chitas, mas caiu na preguiça. “Isso é tão estranho porque eu ia dizer preguiça! Mas, então eu não fiz porque não é realmente ele. Juro por Deus que ia dizer preguiça. Então, nós dois dissemos as duas coisas!”

Título de uma memória? Cheesy Does It: The Evan Peters Story.

Deixando a brincadeira dos títulos das memórias à parte, Ward tem um profundo respeito por seu amigo. “[Evan] é conhecido por interpretar esses personagens mais sombrios e taciturnos, e é engraçado porque uma grande razão pela qual ele e eu somos tão próximos é que somos ambos grandes nerds de comédia. Ele é muito inteligente e não se dá crédito por isso. ”

 

É verdade que Peters incorporou muitos personagens sombrios. E para aumentar a dificuldade dos papéis, muitos desses personagens habitaram diferentes períodos de tempo. Onde o verdadeiro Peters se encaixaria melhor? “Eu realmente gosto dos anos 20 e 30. A música, a bebida, as roupas, tudo.”

Ele estava totalmente entranhado nesta enquanto interpretava o assassino em série, Sr. James March, em AHS: Hotel. Completo com um sotaque transatlântico, ascot e um bigode fino, ele personificava o nouveau riche dos loucos anos 20. Peters olha ao redor da sala de estar desta casa histórica protegida por Mills.

Construída em 1927, possui detalhes como querubins esculpidos no manto da lareira e anjos pintados no teto. “Isso é incrível. Eles não fazem mais casas como esta. Apenas se atente aos detalhes.” Eu pergunto como ele decora sua própria casa. Ele dá uma risada tímida. “Muito minimamente. Eu realmente preciso trabalhar nisso. ”

Na verdade, antes de sairmos, ele pega o endereço de e-mail do proprietário para que ele possa entrar em contato com seu designer. Ele decidiu que este lugar parece certo, a decoração incorpora o que ele deseja para o ambiente. O que significa que esta casa não ainda não deixa totalmente Evan Peters.

Fonte: Interview Magazine

Crescendo em St. Louis, Missouri, Evan Peters preferia a comédia e as travessuras: Jim Carrey em Ace Ventura: Um detetive diferente (1994) era um exemplo para ele e era um fã ávido de A Louca Louca História de Robin Hood (1993). Ele gostou de interpretar Fagin – seu primeiro papel como ator – em uma produção Oliver do Ensino Fundamental porque, “ele era uma espécie de líder e ensinou todas as crianças a roubar coisas.”

Hoje, a visão do ator de 28 anos é um pouco mais séria, com Joaquin Phoenix e Jake Gyllenhaal substituindo Carrey. Peters não é, diz ele, um perfeccionista, mas se preocupa bastante. Não leva muito tempo para ele sair do personagem, mas entrar no personagem é uma questão diferente.

Peters é mais conhecido como um dos três protagonistas da antologia dramática de Ryan Murphy, American Horror Story, ao lado de Sarah Paulson e Jessica Lange (ou “o Langster”, como Peters brinca). Ao longo de quatro temporadas, ele interpretou um estudante assassino do ensino médio, um suposto serial killer, um irmão de fraternidade e um carnie (*funcionário de um carnaval itinerante) dos anos 1950 apelidado de “Garoto Lagosta”. O favorito dos fãs, ele tem sido o cara bom, o cara mau e mais algumas coisas ambíguas no meio. Peters já está confirmado para a quinta temporada, que terá como co-estrela Lady Gaga.

No entanto, há muito mais na carreira de Peters do que apenas AHS. Duas semanas depois de encerrar a quarta temporada do programa, ele estava de volta ao set de filmar Elvis & Nixon de Liza Johnson com Kevin Spacey e Michael Shannon. Na última sexta-feira, Renascida do Inferno (The Lazarus Effect), filme de terror de Peters com Mark Duplass, Olivia Wilde e Donald Glover, estreou nos Estados Unidos. Ainda este ano, Peters começará a trabalhar em X-Men: Apocalipse, seu segundo filme da franquia monolítica.

 

EMMA BROWN: Renascida do inferno ocorre em um curto espaço de tempo em um contexto muito específico: quatro jovens médicos tentando desenvolver um soro para ressuscitar os mortos. Você inventou uma história de fundo para seu personagem, Clay?

EVAN PETERS: Definitivamente, há uma história de fundo para Clay e uma razão pela qual ele está lá. Acho que todo mundo tentou fazer isso por seus personagens; cada um de nós queria descobrir por que estávamos lá, o que estávamos fazendo lá e também que tipo de pessoa éramos. Clay, para mim, sempre foi o Gênio Indomável do grupo; ele não tem que pensar em ser inteligente, ele apenas é inteligente. Ele quer desenvolver um soro para ganhar dinheiro – obviamente para salvar vidas, mas acho que Clay é um pouco mais egoísta e está animado para ganhar milhões de dólares para poder ficar em casa e jogar videogame o dia todo. Há muitas coisas divertidas para fazer com Clay, ele é um cara muito louco.

BROWN: Eu sei que você trabalhou com Olivia Wilde, que interpreta um dos outros médicos, em um episódio de House. Você trouxe isso a tona e relembrou dessa época?

EVAN PETERS: Não, na verdade não. Eu não sei se nós realmente conversamos sobre isso. Eu era apenas um figurante e às vezes pode ficar bem louco. Fui um dos seis reféns em um episódio – acho que foi ainda mais do que seis – então duvido muito que ela se lembraria de mim. Eu não queria dizer: “Ei, lembra de mim?” E ela tipo, “Não”.

BROWN: Quando você está pensando em entrar em um thriller de terror como Renascida do Inferno, a primeira coisa que você quer saber é: “Como vou morrer?”

PETERS: [risos] Não. Mas eu estava animado para morrer. Eu gosto de uma boa morte na tela, e isso foi muito divertido. Eu estava animado por não ser o assassino, por ser aquele que pensa: “Ei, pessoal, isso é ruim. Precisamos sair daqui.” Ele é tipo a voz da razão.

BROWN: Quando você começa uma nova temporada de American Horror Story, você sabe o arco do seu personagem?

PETERS: Não. É meio que incrível; Eu não sei de nada. É uma maneira interessante de trabalhar onde você está vivendo o momento e tomando decisões para seu personagem no momento. Você tem que seguir seu instinto em tudo – tentar não pensar demais nas coisas. Isso tende a me fazer duvidar do que fiz, mas é sempre assim. Eu sou uma pessoa que se preocupa. Eu tenho que aceitar isso e apenas me preocupar.

BROWN: Isso dá a você uma vantagem de saber apenas o quanto seu personagem sabe?

PETERS: Acho que tem ambas; tem suas vantagens e suas desvantagens. Você não pode planejar seu arco de personagem – você tem uma ideia vaga, talvez, mas sou constantemente surpreendido. Às vezes, os atores em filmes interpretam o final do filme, ou mesmo o meio, e você sabe para onde está indo – como parte do público, você pode ler o ator. Mas se você não sabe para onde está indo… O exemplo perfeito é [na primeira temporada], eu não sabia que [meu personagem] Tate era o Homem de Borracha até o episódio sete mais ou menos, quando o público descobriu. Eu não estava interpretando Tate como se tivesse todo esse outro lado do Homem de Borracha. Eu não acho que o público sabia, porque fiquei realmente surpreso quando descobri isso. Acho que foi possível porque eu não sabia antes do tempo.

BROWN: Na quarta temporada, Freak Show, você cantou uma música do Nirvana. É algo que o deixou animado ou nervoso?

PETERS: Eu estava os dois, animado e nervoso! O que mais me deixou nervoso foi performar e gravar. Na cabine, você está cantando e é divertido e você está brincando. Eu gosto disso. Eu gosto de fazer música então foi divertido. Mas filmando, toda a vibe de videoclipe era muito estranha e eu me senti desconfortável na minha própria pele. Eu estava canalizando o vocalista do Future Islands. Ele se mete tanto nisso, ele prega cada música que canta, então isso ajudou um pouco os meus nervos.

BROWN: Você sabe se haverá alguém cantando na próxima temporada?

PETERS: Eu não faço ideia. Eu realmente não sei. Lady Gaga está na próxima temporada, então pode haver alguma cantoria. Eu gostaria de saber!

BROWN: Você socializa como o elenco fora do trabalho ou é a última coisa que quer fazer depois de um longo dia?

PETERS: É duro. Você tenta ir jantar e ver filmes e sair com os amigos, mas depois de um dia de 18 horas, é tipo, “Estou cansado, vou relaxar, assistir TV, relaxar e descansar do dia e prepare-se para fazer tudo de novo amanhã.”

BROWN: O que você assiste para relaxar?

PETERS: Na verdade, eu assisto The Walking Dead. Eu gosto muito de The Walking Dead. Estou muito atrasado, no entanto. Não gosto de assistir a muitas coisas quando estou trabalhando – gosto de ler e ouvir música, mas tenho que ser muito seletivo com relação a filmes e TV. Tento assistir coisas que estão integradas ao que estou trabalhando. Tem que ser para pesquisar ou tentar entrar na mentalidade [de um personagem]. Então, estou muito atrasado em The Walking Dead. Eu ainda estou no Governador. Há tantos programas de TV bons que eu quero assistir – House of Cards, Breaking Bad. Estou muito atrasado em todas essas coisas.

BROWN: Recentemente, entrevistamos Alanna Masterson de The Walking Dead e ela disse que toda vez que um novo membro do elenco se junta a série, todos vêm para conhecê-los e recebê-los. Você faz algo assim em American Horror Story?

PETERS: Isso é muito fofo. Não temos nada parecido – obviamente apertamos sua mão e dizemos: “Bem-vindo”. Acho que somos muito amigáveis com os recém-chegados. Não temos um ritual; devemos definitivamente trabalhar em algo. Pegar um bolo enorme e, em seguida, fazer Kathy Bates saltar dele.

BROWN: Foi estranho fazer a transição entre American Horror Story e Elvis & Nixon tão rapidamente, ou você está acostumado com isso?

PETERS: Não, foi ótimo. Gosto de voltar ao trabalho, e era New Orleans e eu estava lá há, cumulativamente, um ano, então conheço a cidade muito bem. Foi fácil voltar para lá em vez de ir para outro lugar e aprender sobre uma nova cidade.

BROWN: Você interpreta uma pessoa real no filme, o ex-assistente de Nixon, Dwight Chapin. Você conheceu o verdadeiro Dwight Chapin?

PETERS: Não, eu não sabia, mas Bud Krogh [ex-conselheiro da Nixon] teve que mudar um pouco. Ele era muito legal e meio que em um estado de espírito surreal ao ver Colin Hanks interpretando-o. Ele ficou um pouco nervoso ao voltar para o escritório oval. Então Jerry Schilling [associado de Elvis]  apareceu, o que foi realmente incrível, e conversou um pouco. E verificamos novamente para ter certeza de que as coisas estavam corretas, eu acho. É um filme legal com um ótimo elenco – muito engraçado. Estou animado para ver isso.

BROWN: A premissa parece tão maluca, mas é baseada em uma história real.

PETERS: Provavelmente é 90% verdade – parte disso é um pouco embelezado porque contribui para uma história melhor, mas Elvis Presley indo à Casa Branca e querendo seu distintivo [de Federal da Narcóticos e Drogas Perigosas] era tudo verdade. É hilário, e então você descobre que é verdade e pensa: “Meu Deus, isso é loucura!”

BROWN: Eu me pergunto se alguém já fez isso com Obama: “Ei, eu sou famoso …”

PETERS: “Posso obter um distintivo? ” Provavelmente…

BROWN: Você tinha visto algum dos outros filmes de Liza Johnson antes de assinar com Elvis & Nixon?

PETERS: Não. Eu não estava familiarizado com nenhum trabalho de Liza de antemão. Eu peguei cópias dele e verifiquei. Fiquei muito impressionado, mas queria fazer o filme antes mesmo de ver o trabalho dela. Eu estava tipo, “Eu não me importo. Esse filme é ótimo. Este script é hilário.” E sou um grande fã de Elvis.

BROWN: Michael Shannon e Kevin Spacey têm uma presença bastante forte. Antes de você os conhecer oficialmente, quem era mais intimidante?

PETERS: Ambos eram igualmente intimidantes, mas não porque intimidassem as pessoas, apenas porque eu estava intimidado por trabalhar com eles. Mas os dois provaram ser incrivelmente legais e tranquilos e muito prestativos – profissionais, mas também mantendo o cenário leve e se divertindo. Foi muito legal vê-los trabalhar e ver como isso é feito.

BROWN: Você assistiu aos filmes originais dos X-Men quando eles foram lançados no início dos anos 2000?

PETERS: Oh sim. Eu era um grande fã de todos os filmes X-Men enquanto crescia. Eu ainda sou. Recentemente, assisti a todos eles de novo e são incríveis. Adoro filmes com efeitos especiais e toda a ideia por trás dos X-Men de homo superior e homo sapiens estarem em guerra e tentando aceitar o homo superior – é uma luta universal. É uma coisa muito identificável e acho que dá muito ânimo. Isso é importante quando você está lidando com um filme com muitos efeitos especiais e voltado para a ficção científica.

BROWN: Quem você queria ser quando viu os três primeiros filmes?

PETERS: Definitivamente Wolverine. Eu amo os primeiros X-Men; Acho que é um dos meus favoritos. Quando ele é jogado pelo para-brisa pela primeira vez e depois começa a se curar novamente, é incrível! Eu acho que é o poder mais legal, ter incríveis habilidades de cura. Então, para completar, ele tem o adamantium [garras de metal] e isso o torna durão, e ele consegue viver uma vida incrivelmente longa, o que eu acho muito legal. Sempre gostei disso em vampiros também.